Bolsonaro a conta-gotas

O presidente Bolsonaro deu uma entrevista ao jornal The Washington Post, em Davos, na Suíça. Quando li o primeiro parágrafo, resolvi transformá-la em tuítes, principalmente porque não vi entrevista dele para a imprensa brasileira, exclusiva ou coletiva. Para ir mais rápido cortei formalidades, deixando Lula e Dilma onde havia “ex-presidente” e nomes completos, por exemplo, e fiz atalhos traduzindo o sentido mais que palavra por palavra de cada frase. Ao estourar o limite de um tuíte, cortava o que já é conhecido no Brasil. Só assim consegui resumir o que provavelmente os jornais nacionais darão melhor amanhã. À medida que fui tuitando, tomei um susto: a entrevista era grande e não só alguns poucos parágrafos. Aí vai:

BOLSONARO-1

-Você admira Trump? – perguntou a Bolsonaro a repórter Lally Weymouth, do The Washington Post.

Sim, admiro porque ele está tentando tornar a América grande de novo. Nós também queremos um grande Brasil (…)

BOLSONARO 2

POST: Você acha que a mudança de regime na Venezuela é uma boa ideia? O que o Brasil pode fazer para que isso aconteça?

-Sempre fomos contra o regime Maduro, especialmente considerando que teve laços estreitos com os governos Lula e Dilma, como com Cuba.

BOLSONARO -3

POST: Como isso pode acontecer? (a mudança na Venezuela)

-É preciso, claro, remover Maduro do poder. Acontece que ele tem 70 mil cubanos do seu lado. Então, não será fácil.

BOLSONARO -4

POST: Você está disposto a usar tropas brasileiras?

-Não vamos embarcar o Brasil numa intervenção militar. Não temos uma história de resolver problemas com intervenção militar.

BOLOSONARO – 5 e 6 (um engano na numeração da sequência)

POST: Ao mesmo tempo, a Venezuela é uma tragédia humanitária…

-Brasil deu boas vindas e acomodou refugiados da Venezuela. Nós os realocamos e os assistimos. Chegamos ao nosso limite (…)

BOLSONARO -7

POST: Você acha que fez a diferença para Maduro?

– Acredito, sim. Nosso serviço de inteligência captou um alto nível de insatisfação entre militares na Venezuela (…) Não há mais coesão como antes.

BOLSONARO – 8

POST – Nos EUA muitos não gostaram de seus comentários sobre mulheres e a comunidade LGBT (a repórter prossegue com o azul e rosa de Damares).

-Tenho sido acusado de atacar mulheres, negros, gays, índios. Se isso fosse verdade, teria ganhado a eleição?

BOLSONARO 9

POST: Como você pôde dizer que ter uma filha foi um momento de fraqueza?

-Isso foi apenas brincadeira. É muito comum responder assim no Brasil.

BOLSONARO – 10

POST (a repórter insiste em que ele deve dizer algo mais sobre a pergunta feita)

Eu já expressei minha visão a respeito.

BOLSONARO 11

POST: Você disse que seria melhor ter um filho que se droga do que um filho gay. Em retrospecto, você acha que deve ser presidente de todos os brasileiros e esquecer essas declarações?

– Esta é uma novidade para mim. Nunca a ouvi antes.

BOLSONARO 12

POST: Isso foi publicado…-

– Você realmente acredita em mídia impressa? Você realmente acredita nela cegamente?

POST: Sim, eu cresci com mídia impressa.

BOLSONARO 13

– Eu não estou duvidando de sua mídia. No Brasil, eles são todos iguais – os jornais,

POST: Você pode assegurar que as mulheres e a comunidade LGTB terão um lugar no seu Brasil?

-Eu amo mulheres

BOLSONARO 14

POST: E você pode reassegurar que a comunidade LGBT tem lugar no seu Brasil?

-Todos têm lugar no nosso Brasil. Quero que sejam muito felizes. Mas eu não permitirei que crianças de 6 anos sejam expostas a conteúdo homossexual nas escolas.

BOLSONARO 15

POST: Qual o seu compromisso com a democracia? (A repórter lembra o tempo da ditadura, que ele elogia).

-Os militares salvaram o Brasil.

BOLSONARO 16

POST: Os militares salvaram o Brasil?

Os militares salvaram o Brasil de uma potencial ditadura em 1964.

POST – E quanto a você, Presidente? Você tem compromisso com a democracia hoje no Brasil?

-Nós vamos fortalecer a democracia a todo custo

BOLSONARO 17

Continuando do post anterior:

-Dilma Rousseff teve vários terroristas no governo dela, e ninguém disse nada. Lula e Dilma adoravam Fidel e elogiavam Kim Jong-un. São eles que falavam sobre democracia no Brasil. Eu represento liberdade e democracia.

BOLSONARO 18

…Nossas forças armadas garantem o que estou declarando a você.

POST: Nos EUA, temos uma grande força armada e uma grande democracia. Podemos ter os dois.

-As forças armadas garantem a democracia.

BOLSONARO 19

POST: O que seu governo fará para combater a corrupção?

-O ministro Moro tem disponíveis todas as ferramentas para seguir a trilha do dinheiro. Corruptos não terão mais vida fácil no Brasil.

BOLSONARO 20

POST: Tenho que lhe perguntar sobre seu filho, Flávio. Foi informado que ele contratou várias pessoas ligadas a gangues…

-Isso não é uma questão para o governo federal, nem de sua conta. Mas vou dar meu ponto de vista…

BOLSONARO 21

(O presidente continua)

-Em grande parte, o sobrenome, Bolsonaro, é a razão por tanta visibilidade. O que disseram contra ele são acusações politicas de gente que quer criticar meu governo (…) Se alguma prova aparecer contra meu filho, ele será punido.

A entrevista ao Washington Post prossegue com reforma da previdência, a facada na campanha eleitoral, a cirurgião na segunda-feira,


Sete minutos em Davos

Bolsonaro “não brilhou” em sua estreia internacional, mesmo sem competir com Trump e a primeiro-ministra britânica Theresa May, ausentes. É a manchete do Diário de Notícias, de Portugal. Para o The Times, de Londres, quem brilhou no primeiro dia de Davos foi Sir David Attenborough, 92 anos, historiador, falando sobre nosso planeta, num debate moderado pelo príncipe William.


“Improvável protetor da Amazônia”, como a Bolsonaro se referiu a newsletter de Davos produzida pela revista digital Quartz, ele tentou convencer a plateia de que tem credenciais de defensor das florestas e do ar que respiramos.

Logo depois, num painel sobre desmatamento, a primatóloga, etóloga e antropóloga britânica Jane Goodall, 84 anos, declarou: “Todos estamos preocupados com a nova administração no Brasil”.

O jornal The Guardian publicou uma extensa reportagem de seu correspondente na América Latina, Tom Phillips, acrescentando à performance de Bolsonaro em Davos a sombra do escândalo protagonizado pelo filho e senador Flávio Bolsonaro no Brasil. Chamou-o de bola de neve, talvez inspirado pelas imagens de Davos.

O Forum Econômico Mundial oferece um ótimo programa que poderia fazer bem a Bolsonaro: 30 minutos de meditação guiada por Tsoknyi Rinpoche. É recomendado para “centrar” as pessoas. Outro bom programa não faz o gênero de nosso presidente: o guitarrista do Queen, Brian May, vai apresentar um novo trabalho baseado no pouso da Apollo na Lua.

Sir David Attenborough declarou que “nunca houve um tempo em que tanta gente está desconectada do mundo natural como agora”. Depois do príncipe William, quem fez dupla com ele foi o ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore. A mensagem que ele deixou é assustadora: “O futuro do mundo natural está em nossas mãos. Podemos destruí-lo facilmente. Podemos destruí-lo sem mesmo notar que o estamos fazendo”.

Nos jornais europeus, o tributo ao jogador argentino Emiliano Sala Taffarel, atacante do Cardiff City, uma das quatro pessoas de um voo privado que não chegou ao destino, desaparecido no Canal da Mancha. Ele mandou uma mensagem do avião: “Se em uma hora e meia não tiverem notícias, já sabem”. No TuttoSport italiano, o grito de Marcelo: “quero a Juve”, onde já joga Cristiano Ronaldo.