O terror em 102 capas

NY_DN

O Daily News responsabiliza a poderosa National Rifle Association, que zela pelos direitos de quem quer se armar nos Estados Unidos, pela carnificina na boate gay em Orlando, com 50 mortos e 53 feridos.

“Sem palavras”, o Tampa Bay Times (TBT), da cidade vizinha à tragédia de Orlando, publica uma rosa multicolorida. Na capa do Orlando Sentinel, um editorial para cicatrizar feridas abertas pelo massacre. Os jornais RedEye (Chicago) e Oregonian (Oregon) optaram por frases, como “Diante do ódio e violência, amaremos uns aos outros”, ou apelos à união, em suas capas sem fotos nem manchetes.

FL_TBFL_OSOR_TO

Aqui o panorama da noite do terror em Orlando em 102 capas de jornais dos EUA e do mundo

Este slideshow necessita de JavaScript.

S

O show seca jato de Jucá

 

As edições carioca e paulista do Lance entram em campo hoje falando também para os torcedores políticos. “PARA ESTANCAR A SANGRIA”, manchete do que circula em SP, não deixa dúvidas: a frase foi dita por Romero Jucá para secar a Lava Jato. Mas ela serve também para o Corinthians. Ótimo. “Olha o pacto!”, ainda reforça um subtítulo, abrindo a chamada. O Lance do Rio talvez não tenha cravado sua manchete intencionalmente política: “VAI SOBRAR PRA ALGUÉM”. No campo político, policial e judicial é claro que alguém vai pagar o pato, e não será a Fiesp. O mesmo gravador premiado que fulminou Jucá conversou também com Renan, Sarney e outros luminares do Congresso. Vai sobrar para quem agora? Nesse caso, pode ser interpretação minha. Que o pessoal de esportes não queira ficar de fora, eu admiro. Mesmo no banco de reservas, sinto coceira nos dedos para entrar no jogo.

O restante dos jornais e jornalões não fugiu ao padrão do dia a dia. Nenhuma manchete sobressai do conjunto em torno do áudio exterminador. O Jornal de Santa Catarina esboçou um calendário para realçar que a primeira séria crise do governo Temer demorou apenas 12 dias para implodir. O Povo, do Ceará, destaca um detalhe: “Cearense é pivô do primeiro escândalo do governo Temer”. (Há quem discorde, lembrando que o pivô estreante caiu da boca de Renan, enquanto ele concedia uma entrevista coletiva). Brincadeira à parte, o gravador premiado Sérgio Machado é do Ceará, e daí O Povo requisitar certa intimidade com o escândalo, ele que reclamou que não havia cearense no governo Temer, quando anunciado o ministério. Jornais que trataram a queda de Jucá como segundo ou terceiro assunto do dia, ou que anunciam hoje que o que aconteceu foi apenas licenciamento, ficaram de fora do slideshow da seleção de capas, exibido abaixo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Sexta, 13: o primeiro dia de Temer

Aqui estão algumas capas que fogem à mesmice ao tratar de um mesmo assunto, o primeiro dia da posse de Temer e da saída de Dilma. O Metro tem surpreendido a cada dia. Pena que seu conteúdo não empate com a forma, porque os jornalões produzem mais e tem mais páginas, repórteres e fotógrafos. O Hora, de Florianópolis, se inspirou, provavelmente, no Zé Simão, da Folha. Apresenta o Temer como num filme de terror, a manchete A ERA TEMER em fonte de vampiro, e uma lembrança oportuna: hoje é sexta-feira, 13. O Zero Hora ousou: juntou capa (com Temer) e contracapa (com Dilma). O Correio Braziliense e o Diário Gaúcho tiveram a mesma ideia, com formatos diferentes: dão um recorte e cobre as promessas do novo presidente, com direito a tesourinha e fio pontilhado. Pessoalmente, duvido que muitos leitores o façam. E os que o fizerem devem ler antes a página 2, que, recortada, perderão. Destacamos, por fim, o Jornal de Santa Catarina, que teve a coragem de desprezar o farto material fotográfico do dia e abrir na capa e contracapa unidas, a foto preto e branca da posse de Dilma e Temer em 2015, então separados, naturalmente, pela dobra do tabloide. Meus parabéns a equipe que a produziu. (As capas estão maiores no slide show mais abaixo.)

 

 

 

°°°°

Este slideshow necessita de JavaScript.

BRAZIL NO MUNDO

Surpresa: para começar o painel da repercussão na imprensa internacional da troca de comando no Brasil, destaque para o editorial de capa do Granma, do PC de Cuba, assinado pelo Governo Revolucionário.

gra,ma

BUL_DUMAOs búlgaros, que tanto festejaram a eleição de  Dilma Rousseff, búlgara por parte do pai, despediram-se dela, com uma pequena foto de capa, na coluna à esquerda.

 

 

 

 

 

Detalhe na cobertura internacional. Os jornais preferiram publicar fotos de Dilma.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

°°°

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

A longa noite da imprensa

Como diz a manchete do Agora, o BRASIL DORME COM DILMA E ACORDA COM TEMER. Certa noite, faz tempo, os israelenses e eu  dormimos com Shimon Peres eleito e acordamos com Bibi Netanyhau primeiro-ministro. Lá, muito menos eleitores, era mais fácil acertar. A longa noite do impeachment impôs um desafio aos jornais, com hora de fechamento. Avançar o sinal, apostando nas previsões do voto dos senadores? O editor que já enfrentou um dilema assim sabe como é. Se decidir arriscar, passará a noite acordado — e, se tiver errado, seu jornal provavelmente já terá rodado. A solução que mais me agradou — eu que, lembro, não sou parâmetro universal — foi a do Estadão, novamente com um poster como capa, baseada em caderno especial sobre Michel Temer. A foto de Jaques Wagner e Dilma espiando a esplanada pela cortina do palácio entreaberta, distribuída pela Agência Brasil, fez a unanimidade nas capas de hoje. Destaco a publicada pela Gazeta do Povo, que a abriu generosamente. Surpresa veio de Franca, onde o Comércio também deu poster e driblou o impasse com um esperto À ESPERA DO FIM. O Metro e o Correio Braziliense mantiveram o bom nível na sequência do impeachment.

Jornal_O_Globo___Notícias_OnlineO Globo merece destaque especial: esperou o final da sessão no Senado para dar uma manchete segura e definitiva. Avisou aos leitores no online que circularia mais tarde.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Todas as capas da presidentA

Este slideshow necessita de JavaScript.

As seis capas destacadas acima estão, a meu ver, fora da mesmice geral — embora a mesmice também possa ter sua beleza, em alguns casos. O critério para a seleção foi a criatividade, um trabalho a mais na edição em prol do eleitor — e pessoal, não sendo eu parâmetro objetivo. O gratuito Metro tem se esmerado. Poster, título curto — e só. Claro que não vai competir com os jornalões em conteúdo. Temos a intrigante capa do Super. Não sei se foi intencional, mas a manchete para o futebol NÃO VAI TER VOLTA, ao lado da chamadinha para Dilma, ficou curiosa. Criatividade em abundância, perigosa, na fronteira entre o genial e o ridículo, vai estampada no Diário de São Paulo. É uma carta manuscrita para Dilma, assinada por “eleitores”, e que termina com TCHAU, QUERIDA. Suponho que tenha sido especialmente produzida para a capa. O Correio Braziliense, pródigo em primeiras páginas premiadas, dá a impressão de que tem buscado ideias em seu baú glorioso. Abaixo da dobra, revirado, está o Temer; e acima, Dilma, ambos transformados em cartas, uma dando a ÚLTIMA CARTADA,  o outro pondo AS CARTAS EM JOGO. Está ótimo, mas, se não me engano, já vi os mesmos recursos antes no mesmo jornal. O Estado de Minas não rompeu o seu formato, como tem feito na cobertura de grandes acontecimentos, e saiu com a Dilma pedalando, numa foto super vertical, e um título curto, PEDALADAS FINAIS. O DC:, de Santa Catarina, deu por título O DIA D (seguem-se em tom rebaixado palavras corriqueiras no processo de impeachment que contenham D, grafado em vermelho, a silhueta de Dilma por cima, e o final DE DILMA, completando a frase. Abaixo temos dez jornais internacionais que deram o impeachment na capa. No The  New YorK Times está no cantinho à esquerda, no pé da página. Mas no Wall Street Journal é a foto principal. Nossos hermanos e vizinhos compareceram, como também o espanhol El Pais, interessadíssimos no futuro do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Hors concours

_5__Facebook

 

 

 

 

Cunha caiu nas capas dos jornais

Fui aos jornais brasileiros na expectativa de encontrar criativas capas sobre a suspensão deBRA^RJ_MET Eduardo Cunha. Surpreendi-me ao me deparar com tão poucas. Assim de memória, marcantes são a ilustração na capa do Estado de Minas, obliterada por um título demasiadamente longo; a charge no alto do Correio Braziliense; a capa do Metro, sim, foi elaborada e está de ótimo nível; entre os jornalões, o único que se lembrou de que todo o Brasil já sabia da decisão do STF foi o Valor, que então deu um passo adiante, atraindo o leitor para um ângulo novo, uma reflexão sobre o impacto da notícia para o eventual governo Temer . O Globo saiu com a manchete mais curta, forte: CUNHA FORA. Alguns jornais nem deram a notícia, e então os deixei de fora. Alguns que a deram, mas escondida, entraram na seleção, com 44 jornais ao todo. Dos internacionais, o único que se interessou foi o Buenos Aires Herald, em inglês. Não há nada nas capas do Washington Post e do New York Times, muito embora nos jornais da TV, ontem, a eles fosse creditada “grande cobertura” — nas edições on-line, sim, mas nas impressas, não. Ah, uma das capas nacionais me chamou a atenção ao repetir o que fez o Jornal da Tarde certa vez: “escolha sua manchete”. Uma das sugestões é o “tchau, querido”, que saiu também em outros jornais e apareceu demais nas comemorações contra Cunha na internet. Divirtam-se.

Este slideshow necessita de JavaScript.