O terror em 102 capas

NY_DN

O Daily News responsabiliza a poderosa National Rifle Association, que zela pelos direitos de quem quer se armar nos Estados Unidos, pela carnificina na boate gay em Orlando, com 50 mortos e 53 feridos.

“Sem palavras”, o Tampa Bay Times (TBT), da cidade vizinha à tragédia de Orlando, publica uma rosa multicolorida. Na capa do Orlando Sentinel, um editorial para cicatrizar feridas abertas pelo massacre. Os jornais RedEye (Chicago) e Oregonian (Oregon) optaram por frases, como “Diante do ódio e violência, amaremos uns aos outros”, ou apelos à união, em suas capas sem fotos nem manchetes.

FL_TBFL_OSOR_TO

Aqui o panorama da noite do terror em Orlando em 102 capas de jornais dos EUA e do mundo

Este slideshow necessita de JavaScript.

S

Sexta, 13: o primeiro dia de Temer

Aqui estão algumas capas que fogem à mesmice ao tratar de um mesmo assunto, o primeiro dia da posse de Temer e da saída de Dilma. O Metro tem surpreendido a cada dia. Pena que seu conteúdo não empate com a forma, porque os jornalões produzem mais e tem mais páginas, repórteres e fotógrafos. O Hora, de Florianópolis, se inspirou, provavelmente, no Zé Simão, da Folha. Apresenta o Temer como num filme de terror, a manchete A ERA TEMER em fonte de vampiro, e uma lembrança oportuna: hoje é sexta-feira, 13. O Zero Hora ousou: juntou capa (com Temer) e contracapa (com Dilma). O Correio Braziliense e o Diário Gaúcho tiveram a mesma ideia, com formatos diferentes: dão um recorte e cobre as promessas do novo presidente, com direito a tesourinha e fio pontilhado. Pessoalmente, duvido que muitos leitores o façam. E os que o fizerem devem ler antes a página 2, que, recortada, perderão. Destacamos, por fim, o Jornal de Santa Catarina, que teve a coragem de desprezar o farto material fotográfico do dia e abrir na capa e contracapa unidas, a foto preto e branca da posse de Dilma e Temer em 2015, então separados, naturalmente, pela dobra do tabloide. Meus parabéns a equipe que a produziu. (As capas estão maiores no slide show mais abaixo.)

 

 

 

°°°°

Este slideshow necessita de JavaScript.

BRAZIL NO MUNDO

Surpresa: para começar o painel da repercussão na imprensa internacional da troca de comando no Brasil, destaque para o editorial de capa do Granma, do PC de Cuba, assinado pelo Governo Revolucionário.

gra,ma

BUL_DUMAOs búlgaros, que tanto festejaram a eleição de  Dilma Rousseff, búlgara por parte do pai, despediram-se dela, com uma pequena foto de capa, na coluna à esquerda.

 

 

 

 

 

Detalhe na cobertura internacional. Os jornais preferiram publicar fotos de Dilma.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

°°°

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

A longa noite da imprensa

Como diz a manchete do Agora, o BRASIL DORME COM DILMA E ACORDA COM TEMER. Certa noite, faz tempo, os israelenses e eu  dormimos com Shimon Peres eleito e acordamos com Bibi Netanyhau primeiro-ministro. Lá, muito menos eleitores, era mais fácil acertar. A longa noite do impeachment impôs um desafio aos jornais, com hora de fechamento. Avançar o sinal, apostando nas previsões do voto dos senadores? O editor que já enfrentou um dilema assim sabe como é. Se decidir arriscar, passará a noite acordado — e, se tiver errado, seu jornal provavelmente já terá rodado. A solução que mais me agradou — eu que, lembro, não sou parâmetro universal — foi a do Estadão, novamente com um poster como capa, baseada em caderno especial sobre Michel Temer. A foto de Jaques Wagner e Dilma espiando a esplanada pela cortina do palácio entreaberta, distribuída pela Agência Brasil, fez a unanimidade nas capas de hoje. Destaco a publicada pela Gazeta do Povo, que a abriu generosamente. Surpresa veio de Franca, onde o Comércio também deu poster e driblou o impasse com um esperto À ESPERA DO FIM. O Metro e o Correio Braziliense mantiveram o bom nível na sequência do impeachment.

Jornal_O_Globo___Notícias_OnlineO Globo merece destaque especial: esperou o final da sessão no Senado para dar uma manchete segura e definitiva. Avisou aos leitores no online que circularia mais tarde.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Todas as capas da presidentA

Este slideshow necessita de JavaScript.

As seis capas destacadas acima estão, a meu ver, fora da mesmice geral — embora a mesmice também possa ter sua beleza, em alguns casos. O critério para a seleção foi a criatividade, um trabalho a mais na edição em prol do eleitor — e pessoal, não sendo eu parâmetro objetivo. O gratuito Metro tem se esmerado. Poster, título curto — e só. Claro que não vai competir com os jornalões em conteúdo. Temos a intrigante capa do Super. Não sei se foi intencional, mas a manchete para o futebol NÃO VAI TER VOLTA, ao lado da chamadinha para Dilma, ficou curiosa. Criatividade em abundância, perigosa, na fronteira entre o genial e o ridículo, vai estampada no Diário de São Paulo. É uma carta manuscrita para Dilma, assinada por “eleitores”, e que termina com TCHAU, QUERIDA. Suponho que tenha sido especialmente produzida para a capa. O Correio Braziliense, pródigo em primeiras páginas premiadas, dá a impressão de que tem buscado ideias em seu baú glorioso. Abaixo da dobra, revirado, está o Temer; e acima, Dilma, ambos transformados em cartas, uma dando a ÚLTIMA CARTADA,  o outro pondo AS CARTAS EM JOGO. Está ótimo, mas, se não me engano, já vi os mesmos recursos antes no mesmo jornal. O Estado de Minas não rompeu o seu formato, como tem feito na cobertura de grandes acontecimentos, e saiu com a Dilma pedalando, numa foto super vertical, e um título curto, PEDALADAS FINAIS. O DC:, de Santa Catarina, deu por título O DIA D (seguem-se em tom rebaixado palavras corriqueiras no processo de impeachment que contenham D, grafado em vermelho, a silhueta de Dilma por cima, e o final DE DILMA, completando a frase. Abaixo temos dez jornais internacionais que deram o impeachment na capa. No The  New YorK Times está no cantinho à esquerda, no pé da página. Mas no Wall Street Journal é a foto principal. Nossos hermanos e vizinhos compareceram, como também o espanhol El Pais, interessadíssimos no futuro do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Hors concours

_5__Facebook

 

 

 

 

Capas do impeachment

O sempre criativo Correio Braziliense inspirou-se na “carta fora do baralho” com que Dilma se equiparou. Lembrou o tempo em que os EUA tinham um “baralho” a eliminar no Iraque. Depois da bela capa que rompeu o padrão gráfico do Estadão, no domingo, a de segunda é de novo um poster. Difícil superar o próprio sucesso, day after. O Hoje em Dia agigantou o número 367, o de votos contra a presidente Dilma, que aparece com a faixa. Interessante. O Jornal de Santa Catarina fez uma bela capa, tão minimalista e com espaços brancos quanto a Gazeta do Povo no domingo. Mas ficará sherlock para muitos leitores, tão abstrata, assim à primeira vista, se antes não for lido o texto que a explica. Fala “Em Transformação”, ilustrada por um casulo. Nada mais, nem foto da sessão da Câmara ou de povo nas ruas. Ousado, sim. Mas sou de uma escola de diagramação em que visual que requer explicação textual não será bem sucedido. A Folha e o Liberal empataram na manchete de uma única palavra: IMPEACHMENT. O Notícias do Dia, de Florianópolis, usou um recurso guardado para momentos históricos: uniu capa e contracapa, com uma foto enorme.

O The New York Times e Washington Post deram manchete com Dilma, mas daquelas envergonhadas, uma coluna do lado direito, tipologia pequena. Manchetes grandes sobre o Brasil saíram em três jornais argentinos. E também no México e na Nicarágua.

Jornais nacionais

Este slideshow necessita de JavaScript.

 Jornais internacionais

Este slideshow necessita de JavaScript.

A expectativa nos jornais

Parabéns, Estadão e Correio Braziliense, pelas capas que produziram hoje, a meu ver as melhores desse domingo, dia do impeachment ou não da presidente Dilma Rousseff. Aqui, também, o slideshow de outros jornais do Brasil.

 

gazeta

Este slideshow necessita de JavaScript.