E se Bibi cair em Israel?

netanyahu-bolsonaro-01012019170322338
R7.com

O descoberto “irmão” do presidente Jair Bolsonaro corre perigo: o primeiro-ministro de Israel, Bibi Netanyahu, se indiciado por corrupção antes das eleições que ele próprio antecipou para março, deverá renunciar e não se recandidatar para um quinto mandato. Esta é a opinião de 51% dos israelenses que responderam a uma pesquisa exclusiva do jornal The Jerusalem Post, divulgada hoje, 3/1/2019. Para outros 24%, ele, que é o candidato favorito, poderá, sim, concorrer. E 24% não sabem ainda o que responder.

A expectativa em Israel é de que o procurador-geral Avichai Mandelbit indicie Bibi, o “Rei Bibi” de um filme pronto, depois que ele depuser em fevereiro. O caso de agora, o terceiro, tem a ver com benefícios concedidos à maior companhia de telecomunicação israelense, Bezeq, dona do popular site de notícias Walla, em troca de cobertura positiva, para ele e a esposa, Sara. Por lei, Bibi pode continuar sua vida pública, até ser preso. Há precedentes: um ex-primeiro-ministro e um ex-presidente já cumpriram penas em cadeia.

Os abraços de Bolsonaro e a aclamação de evangélicos em Brasília reforçam a imagem de Bibi, uma preciosidade para a campanha eleitoral. Mas se Bibi não for mais o premiê de Israel em março, como sobreviverá a irmandade brasileiro-israelense? O candidato em segundo lugar, com 14% dos votos, é um ex-chefe da IDF (Força de Defesa de Israel), Benny Gantz, seguido de Yair Lapid, 9%, e de Naftali Bennett. Em último lugar, com 4%, está o líder trabalhista, Avi Gabbay. Nenhum deles irá desprezar a amizade e o apoio do Brasil, mas talvez não concordem com tudo que foi prometido por Bibi.

BRASIL E ISRAEL: UMA NOVA ERA?

Brasil e Israel iniciam hoje o que seus dois líderes antecipam como uma nova era histórica em suas relações. É a primeira visita de um premiê de Israel ao Brasil — o Brasil que presidiu, com Osvaldo Aranha, a sessão da ONU em que o estado de Israel foi criado. A partilha da Palestina incluía um estado árabe, mas os países árabes a rejeitaram.

Israel quis sempre se aproximar do Brasil, mas a prioridade brasileira era o mundo árabe. A relação com um excluía os outros. Ainda é assim: a Liga Árabe se reuniu no Cairo há duas semanas e prometeu retaliar, cortando importações, se o Brasil seguir adiante no reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. Os Estados Unidos mudaram sua embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém, mas não sofreu as punições reservadas para o Brasil.

Em 2010, o governo brasileiro foi o primeiro da América do Sul a reconhecer um estado Palestino com base nas fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967. E em 2016, o Brasil se tornou o primeiro país ocidental a abrir uma embaixada da Palestina.

Israel é hoje uma superpotência no uso, reuso e dessalinização da água, até floresceu o deserto, e é também capital mundial de startups e de tecnologia de segurança. O Brasil poderá ser um importante voto em favor de Israel na ONU, e um influenciador político para a América Latina.

Amigo, Israel sempre foi. Enquanto fui por oito anos correspondente em Israel, a trilha sonora de um programa da rádio militar israelense era o Trem das Onze, em hebraico. Caetano, Gil, Gal Costa, Elba Ramalho e Jorge Ben Jor, entre outros cantores brasileiros, levaram à loucura estádios e parques repletos de fãs. Há um kibutz brasileiro no Neguev, Bror Chail, e agora quase uma cidade inteira fala português, Ashkelon, tantos imigrantes daqui foram para lá. A comunidade judaica do Brasil, com 120 mil judeus, só perde em número, na América Latina, para a da Argentina.

Hoje às 19h21 Bibi se recolhe para o shabath e só reaparece ao pôr do sol de sábado. Apesar de confirmado e desmentido agora é oficial: Netanyahu vai à posse de Bolsonaro, encontra-se com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e os presidentes do Chile e de Honduras, mas parte em seguida para a campanha das eleições em abril em israel.