Shalom, Sharon

web_f061119ey04-e1388919055587

Ariel Sharon:  1928 – 2014

 

Ariel Sharon e Shimon Peres:

ambos sofreram derrame cerebral

e morreram no mesmo hospital,

Sheba, com a diferença de 2 anos.

 Sharon passou 8 anos em coma.

 

ariel-sharon-the-trent-12

Shimon Peres: 1923 – 2016

“Aharai, aharai!” – era o grito de guerra do jovem capitão Ariel Sharon. “Sigam-me, sigam-me!”, gritava, e partia à frente das mais audaciosas e inesperadas batalhas da história militar israelense. Os soldados iam atrás. Iriam onde quer que fosse, avançando sob fogo cerrado. Só recuariam se perdessem dois terços das tropas.

Se hoje o general Sharon gritasse aharai, Israel ainda o seguiria. Mas ele sofreu um maciço ataque de um inimigo invencível, o próprio corpo de 77 anos, gordo, frágil, comandado por nervos de aço. Sem ele, seu país não será mais o mesmo.

Foi na sua Unidade 101, base lendária do moderno Exército israelense, que Sharon teve seu primeiro encontro com a morte. Era a Guerra da Independência, 1948, e sua brigada lutava para conquistar o convento de Latrun, entre Jerusalém e Tel-Aviv. Uma bala jordaniana perfurou-lhe o estômago. Um soldado o carregou para a vida. Até recentemente os dois se encontravam, amigos. Ordens do capitão Arik (leão em hebraico, o seu apelido): não deixar nenhum ferido em campo de batalha, mesmo à custa de mais feridos, ou mortos.

Arik também viveu a morte em família. Margalit, a primeira mulher, morreu num acidente de carro. A irmã dela, Lily, com quem ele se casou depois, morreria de câncer, deixando-o inconsolado. E Gur, um dos filhos, morreu aos 10 anos mexendo numa das armas antigas do pai.

Aharai, aharai (pronuncia-se arrarai) – e a tropa o seguia. Nascido Ariel Scheinermann em 1928, e criado em Kfar Malal, na Palestina sob mandato britânico, aos 14 anos ele já carregava armas, operando em organizações paramilitares clandestinas que defendiam os colonos judeus. Tinha a fama de rebelde, não cumpria ordens, e geralmente as excedia. Excesso: esta sempre foi a marca de Sharon. Para ele, não era “olho por olho”, e sim “dois olhos por um olho”.Talvez por isso também o chamavam de Trator, Elefante e Rei de Israel. Nada o brecava. Uma vez, em 1956, ele levou seus paraquedistas a saltar atrás das linhas egípcias, no passo de Mitla, no Deserto do Sinai, para um furioso ataque em que perdeu dezenas de soldados. Outra vez, penetrou com um comando em território jordaniano para vingar o assassinato de uma israelense e seus dois filhos por terroristas – a Operação Kibia. Uma tragédia: 42 casas de pedra foram dinamitadas, matando seus ocupantes, ao todo 69 pessoas, entre elas muitas crianças.113553

Aquele capitão era tão rebelde que o general Ezer Weizman, pai da Força Aérea israelense, escreveu em suas memórias: “Na guerra, eu o seguirei no meio do fogo e da tormenta, mas a vida política tem valores diferentes.” Tão rebelde que o fundador de Israel, David Ben Gurion, perguntou-lhe: “Arik, você já parou de mentir?” Tão rebelde, que o primeiro-ministro Menachem Beguin, em seu primeiro governo, lhe recusava a promoção a ministro da Defesa, justificando-se: “Sharon é capaz de cercar com tanques o prédio do governo.”

Mas Sharon se tornou ministro da Defesa de Beguin por um único motivo: só ele, então o “rei da colonização” na Cisjordânia e Gaza, ocupados por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, seria capaz de retirar os colonos fixados em Yamit, no Sinai devolvido ao Egito em troca do primeiro acordo de paz com um vizinho árabe. Assim como só ele, outra vez, conseguiu retirar, em setembro de 2005, os colonos de Gaza. Ambos os lados o respeitavam e o temiam.

Aharai! A rebeldia de Sharon deu-lhe a completa confiança de seus soldados. Ele os comandou na contraofensiva da guerra de 1973, lançada pelo Egito quando os israelenses se recolhiam ao seu dia religioso mais trágico, o Yom Kippur, o Dia do Perdão. Cumpria sua própria agenda, e não ordens superiores. De repente, lá estava ele, no outro lado do Canal de Suez, cercando todo o 3º Exército egípcio. Negou-lhe água e comida, estrangulando-o enquanto o mundo inteiro protestava. Mas o mundo nunca lhe importou. O mundo, ele dizia, nada fez enquanto Israel era atacado de surpresa, por todos os lados, e sua população estava jejuando e rezando nas sinagogas.

“Quem não é meu amigo, é meu inimigo” – ele não fazia concessões. Ao estourar a guerra no Líbano, em 1982, a marca do excesso de Sharon brilhou. O porta-voz militar israelense deixou de falar com os jornalistas locais ou estrangeiros. Os ministros do núcleo duro do governo Beguin se diziam por fora do que acontecia, desinformados, não consultados. Prevista para chegar só até a 45 km da fronteira Norte de Israel, a invasão do Líbano excedeu, entrando em Beirute e envolvendo a Síria. Sharon perseguiu seu arqui-inimigo Yasser Arafat casa a casa, pulverizando edifícios em que ele passava a noite, até expulsá-lo para a Argélia. E, 20 anos depois, ironia do destino, o primeiro-ministro Sharon e o presidente da Autoridade Palestina, Arafat, se reencontraram para transformar a Cisjordânia numa nova Beirute.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Beguin e Sharon queriam impor uma nova ordem no Líbano. Com tanques e soldados, elegeram o cristão maronita Bashir Gemayel, soterrado em seu QG por uma poderosa bomba às vésperas da posse. As forças cristãs tomaram as ruas para uma vingança, quando Israel era senhor absoluto em Beirute. As milícias falangistas cristãs penetraram nos campos palestinos de Sabra e Chatila e perpetraram um massacre, matando cerca de 800 homens, mulheres e crianças em três dias. Uma comissão de inquérito israelense responsabilizou Sharon “indiretamente” por nada ter feito para impedir ou interromper o massacre. E ele caiu do Ministério da Defesa.

Eu vivi um dos excessos de Sharon. Estava em Beirute quando o cessar-fogo foi obtido pelo diplomata americano Philip Habib, no verão de 1984. Os sinos das igrejas repicavam. Tiros eram disparados para o ar por libaneses eufóricos. Mas… o que vinham fazer naquele momento os aviões israelenses sobre Beirute? Eles cruzaram 220 vezes os céus da cidade. Despejaram 44 mil bombas. O presidente Ronald Reagan chamou Beguin ao telefone e transformou a saudação israelense, shalom (paz), numa ordem.

Esse era Sharon. O general Moshe Dayan só não o levou certa vez à Corte Marcial porque não ficaria bem julgar um oficial por ter feito mais do que o mandado. Normalmente, julgam-se militares que nada fizeram, acovardaram-se, ou fizeram de menos. Fora do governo, só lembrado nas ruas como o “buldôzer”, ele mudou de vida. Tentou ser recebido na Casa Branca. Ignoraram-no. Costurou um acordo secreto com o Líbano. Invalidaram-no imediatamente. Organizou excursões turísticas e políticas às colônias da Cisjordânia e Gaza, quando os EUA as denunciaram como “obstáculos para a paz”. Repudiaram-no. Mas ele voltou. E precisou apenas passear provocativamente pela esplanada do Templo, onde hoje estão as mesquitas de Omar e Al-Aqsa, para provocar uma nova intifada palestina que o reconduziu ao poder, há cinco anos.

2014151223_ariel-sharon020114Os israelenses o elegeram como antídoto ao terrorismo crescente e aos distúrbios permanentes na Cisjordânia e Gaza. Só ele, Arik, para enfrentá-los. Aharai! Dominante, durão, Sharon reduziu a sua própria oposição a fragmentos no Parlamento. Com a estratégia militar de surpreender a todos, mas agora em guerra política, ele abandonou o partido nacionalista de direita Likud, que fundou à revelia de Beguin, e criou o Kadima, ou “Pra Frente”, mais ao centro. Causou um terremoto em Israel. Agora, ele admitia a ideia de desterrar algumas das colônias da Cisjordânia de que tanto antes se orgulhara e defendera. O herói de guerra passou a ser visto também como um herói da paz. E um traidor.

Aharai! O Kadima já era o favorito das eleições de março. Mas o Kadima era Sharon. E Sharon retirou-se para o seu rancho no dia 4 de janeiro de 2006, onde se preparava para uma míni cirurgia no coração na manhã seguinte, quando foi surpreendido pelo seu último e imbatível inimigo, o próprio corpo. Um acidente vascular cerebral (AVC) o derrubou ao chão. Levaram-no de picape para o hospital. Se fosse de helicóptero, lamentaram médicos na época, haveria mais chances de salvá-lo. O general resistiu oito anos até render-se: seus órgãos o abandonaram, um a um.

Um âncora da TV israelense, Yair Lapid, perguntou-lhe numa entrevista pouco antes de sua última batalha chegando agora ao fim: “O que o povo ainda não conhece a seu respeito?” Ele sorriu timidamente, e revelou: “Eu adoro filmes românticos.”

images

Os dias em que não morri

Israel_Lebanon_Border

Foto Creative Commons

Por duas vezes, na guerra do Líbano, vivi a morte bem de perto. Mas sobrevivi e estou aqui, agora, relembrando. Nada heroico. Apenas o dia a dia de um correspondente.

Moussa-al-Sadr

Moussa Sadr

 

Saí correndo de Beirute atrás de um telex ao norte de Israel. Estava sem contato com a redação do jornal, em SP, desde que uma bomba destruíra, três horas antes, o gerador do hotel Commodore, onde ficávamos os repórteres que cobriam a guerra no Líbano. Sabotagem ou coincidência, sempre que o noticiário do dia era desfavorável à OLP, buuuum!, acabava a luz — e adeus transmissão de filmes, fotos e textos.

Peguei a estrada do litoral, deformada pelas sapatas dos tanques no asfalto amolecido pelo sol. Os correspondentes de tevês iam até Damasco, mais perto. Mas eu, barbudo, com carro com placa israelense e nome judeu, não seria bem recebido pelos sírios. Perto da veneranda cidade de Tyre, fundada em 2750 a.C., entrei num desvio sem mais asfalto, uma reta poeirenta com poucas casas do lado direito. Avistei uma multidão em passeata. Era muita gente, segurando cartazes e gritando.

E aí? Que fazer? Dar meia-volta, fugir? Isto já faria de mim uma presa, ou alvo de tiros. Ficar? Prisão certa, ou linchamento imediato. Não poderia acelerar contra a multidão… Então, travei portas e vidros automáticos, à espera.

Aaichiye_IDF_military_base_sounth_lebanon_1991

Israel no sul do Líbano, foto Creative Commons

A turba vinha furiosa. Reconheci a foto que muitos brandiam. Era o imã Moussa Sadr, líder xiita do sul do Líbano, nascido na cidade sagrada de Qom, no Irã.

A multidão engolfou meu carro, que balançou, balançou, mas ninguém tentou abrir a porta. Cegos de ódio, nem me notaram. Eu tremia. De repente, vi a frente livre. Saí devagar, depois acelerei fundo. Alguns quilômetros adiante, no asfalto de novo, parei para comprar água e saber o que estava acontecendo. Ouvi: Moussa Sadr havia desaparecido desde que seu avião fez escala em Trípoli, na Líbia, a caminho de Roma. Certos de que ele fora assassinado, seus súditos exigiam a cabeça do coronel Muamar Kadafi. O mistério não foi desfeito até hoje.

No mesmo Citroën esportivo branco, com placa do país invasor, me perdi uma noite em Beirute. Não existiam GPS, Waze e nem celular. Um sinal indicara que tinha entrado na “terra de ninguém”, uma zona neutra separando os inimigos. Como sair dali? E, dependendo da saída, quem encontraria?

Rodei a 20 km/h até ler uma placa em francês, Café du Brésil. Só podia ser um sinal para mim. O problema era um monte de terra, talvez uma trincheira abandonada, bloqueando o caminho. Mas fui! Acelerei, saltei ao bater na barreira, e pousei diante de alguns soldados que apontavam os fuzis para mim. Talvez não tenham atirado por causa da placa israelense. Ou deveriam, por isso mesmo: poderia ser um camicase com carro roubado. Pegaram meus papéis e foram checar com o serviço de imprensa, em Jerusalém, se eu era mesmo repórter credenciado. E a guerra continuou por mais cinco meses.

 

Feliz ano novo, Israel?

Americanos no Sinai

americanos

Foreign Policy

Os Estados Unidos estão reforçando suas tropas de paz no Sinai. A Rússia tem elevado o número de seus instrutores militares na Síria. O Irã já mandou centenas de seus Guardas Revolucionários para Zabadani, ao norte de Damasco, nos últimos dias.

E Israel? Os israelenses vão comemorar o ano novo judaico de 5776, a partir de domingo ao pôr do sol.

Essa escalada ao sul e ao norte de Israel não prenuncia um feliz ano novo.

EUA — O contingente americano no Sinai foi reforçado por um batalhão de infantaria e cirurgiões para emergências, além de novos equipamentos de observação e alerta precoce. Estão agora no deserto 720 soldados. O reforço foi decidido depois que uma bomba detonada numa estrada, enquanto passava uma patrulha, feriu quatro, na semana passada. A presença de terroristas do Estado Islâmico não é miragem: eles já atacaram israelenses e egípcios, em apoio ao Hamas, em Gaza.

Iranianos na Síria

jafri-e1430136614852

General Mohammad Ali Jafari, comandante dos Guardas Revolucionários (foto YouTube/Press TV)

IRÃ — Os Guardas Revolucionários do Irã são uma novidade. Antes, os iranianos apenas treinavam o Hezbollah libanês para a guerra contra o EI, que plantou a semente de um Califado entre a Síria e o Iraque. Agora eles chegam às centenas e tomam posição nos altos de Zabadani, de onde controlam a estrada entre Damasco e Beirute. Os militares israelenses asseguram que o Irã está coordenado com a Rússia, citando encontros entre generais em Moscou. Como se fosse um voto de final de ano para os judeus, o líder religioso iraniano, aiatolá Khamenei, desejou apenas o máximo de mais 25 anos de vida para Israel que, segundo ele, deixará de existir.

Aeroporto russo na Síria?

Members of Al-Qaeda's Syrian affiliate and its allies sit on top of a former Syrian army figther jet after they seized the Abu Duhur military airport, the last regime-held military base in northwestern Idlib province on September 9, 2015 in the latest setback for President Bashar al-Assad's forces. Al-Nusra Front and a coalition of mostly Islamist groups captured the military airport after a siege that lasted two years, the Syrian Observatory for Human Rights monitor said. AFP PHOTO / OMAR HAJ KADOUR

Al Qaeda com caça russo, AFP PHOTO / OMAR HAJ KADOUR

RÚSSIA — Os russos estão com o presidente Bashar Assad há 4,5 anos e cerca de 250 mil mortos. Há vários sinais de que se dispõem a ampliar a parceria. Israel acompanha as obras russas em Latakia: um aeroporto militar? É o que antecipam. Também, no porto de Tartus, o movimento de navios russos cresceu notavelmente. O analista do Instituto de Política do Oriente Médio em Washington Jeffrey White, ouvido pela agência France Press, informa que “muito material de combate e veículos logísticos” atravessa a Turquia desde abril.

O ministro da defesa de Israel, Moshe Yaalon, deixou claro, num encontro com repórteres, que só intervirá na escalada russo-iraniana se houver transferência de armas para o Hezbollah no Sul do Líbano. Numa intervenção anterior, em janeiro, a aviação israelense matou o comandante dos Guardas Revolucionários, general-brigadeiro Mohammad Ali Allahdadi, ao atacar um comboio de armas na Síria.

Zabadani: cenário de guerra?

1280px-Alzabadani-e1441896223323

Dia apocalítico

Um

Templo de Jerusalém: duas vezes destruído, no mesmo mês Av, no espaço de 656 anos.

Papa reza no que restou dos templos: o Muro das Lamentações.

Papa reza no que restou dos templos: o Muro das Lamentações.

O dia das maiores tragédias na história do povo judeu, entre o pôr do sol do sábado ao de domingo, 25 e 26/7 neste ano, e a guerra apocalítica de Gogue e Magogue contra Israel, anunciada pelo profeta Ezequiel em seu livro do Velho Testamento, estão próximos.

“Muito próximos” – há quem o diga.

Av é o quinto mês lunar do calendário judaico, o 11 do ano laico; e Tishá b’Av, 9 de Av, o dia mais triste do judaísmo — dia de jejum até de água e luto fechado, como se algum parente estivesse morto. No calendário gregoriano, a combinação forma uma surpresa extra ao lembrar os atentados aéreos contra os Estados Unidos há 14 anos: o 9/11.

Tishá b’Av é precedido por Três Semanas de pesar e lamentações pela destruição dos dois templos de Jerusalém e o exílio do povo judeu. A lamentar neste ano de 5775 (equivalente ao 2015, até 13/9, ano novo judaico) foi a conclusão do acordo entre os EUA e mais cinco potências com o Irã, porque Israel não se convenceu das boas intenções iranianas. Ao contrário: está em pé de guerra.

Adoração ao bezerro de ouro

Adoração ao bezerro de ouro

O primeiro trágico Av foi o da morte de Aarão, aos 123 anos, no alto do monte Hor, perto de Petra, na Jordânia. Ele era o irmão mais velho de Moisés. Enquanto um estava demorando a voltar com o que seria os Dez Mandamentos, o outro não proibiu que seu povo, impaciente no deserto, passasse a adorar um bezerro de ouro. Adveio o castigo divino: Deus decretou que a geração do Êxodo morreria sem pisar a Terra Prometida. E assim se fez: só seus filhos foram para Canaã.

O primeiro Templo de Jerusalém, construído pelo rei Salomão, foi destruído pelos babilônios de Nabucodonosor em Tishá b’Av do ano 586 AC.; e 656 anos depois, em 70 AC., de novo num 9 de Av, os romanos de Tito arrasaram o segundo Templo de Jerusalém, erguido por decreto de Cyrus, o rei da Pérsia.

A revolta dos judeus contra Roma foi liquidada no Tishá b’Av de 135 AC.. Seu líder Simón bar Kochba e toda uma geração de líderes religiosos, inclusive o célebre rabino Akiva, foram executados.

As calamidades continuam em Tishá b’Av:

1095: o papa Beato Urbano II proclama a Primeira Cruzada na Terra Santa;

1290: judeus expulsos da Inglaterra pelo rei Eduardo I.

1492 (2/8): judeus expulsos da Espanha pelo rei Fernando;

1555 (26/7): papa Paulo IV confina os judeus no primeiro gueto de Roma;

1914 (1/8): Alemanha declara guerra à Rússia. Começa a Primeira Guerra Mundial;

1942 (8 de Av): inauguração do campo nazista de extermínio de Treblinka; e

1994 (10 de Av): atentado terrorista mata 85 judeus na Argentina.

Só tragédias? Não. Tishá b’Av também é vivido por muitos judeus como renascimento, 3.500 anos depois de Moisés quebrar as Tábuas da Lei, com os 10 mandamentos, ao descer do Monte Sinai. São sobreviventes de ruinas e perseguições, guardiões da memória viva de um povo vítima de genocídios. Derrotados, triunfaram. Mas estão agora diante de nova ameaça. As peças da terrível profecia de Ezequiel 38-39, a Guerra de Gogue e Magogue contra Israel, vão se encaixando como ao final de um quebra-cabeças.

Gogue e Magogue

A peça agora encaixada foi o Irã. Reabilitado ao mundo pelos EUA e mais cinco potências, em 14/7, com um acordo feito para retardar a produção de sua bomba atômica, o bíblico povo persa invadiu as Três Semanas das tragédias judaicas que culminam no Tishá B’Av, iniciadas em 17 de Tamuz, o domingo 5/7, dia em que os romanos derrubaram as muralhas de Jerusalém, no ano 70 da Era Cristã, e partiram para a destruição do Segundo Templo, encerrada em 9 de Av. Nos novos tempos, a Terra teve seu primeiro encontro com o último planeta então desconhecido do sistema solar, Plutão.

São 21 dias aflitivos, conhecidos por “entre os apertos”. Os judeus ortodoxos os vivem sem se casar, ouvir música, dançar, cortar cabelo, barbear-se, viajar a turismo, vestir roupa nova, comer frutas fora de estação e envolver-se em situações perigosas. Tempo de reflexão. Mas como esquecer o maior dos perigos, o Irã?

Israel é definido como “país de uma bomba só” porque basta apenas uma, detonada em Tel-Aviv, para desaparecer do mapa. Restariam-lhe cinco submarinos nucleares que submergeriam para retaliar. Ouça o que disse o ex-presidente do Irã, Ali Akbar Hashemi Rafsanjani — e tenha a dimensão do terror em que vivem os israelenses:

“Bem-vinda uma guerra nuclear com Israel. Ela pode matar 15 milhões de pessoas, mas ainda restarão dois bilhões de muçulmanos na Terra, enquanto não haverá mais nenhum judeu onde existiu Israel”.

Apenas 1529 palavras no livro de Ezequiel, capítulos 38 e 39, anunciam e descrevem a guerra devastadora que paira sobre a Terra Santa. Já renderam milhões de outras palavras que as tentaram decifrar, em muitas línguas e em várias religiões. Volta e meia alguém as retoma para anunciar: o fim está próximo. É o que está acontecendo.

A profecia


Profeta Ezequiel

Profeta Ezequiel

38.1   Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

38.2   Filho do homem, volve o rosto contra Gogue, da terra de Magogue, príncipe de Rôs, de Meseque e Tubal; profetiza contra ele

38.3   e dize: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe de Rôs, de Meseque e Tubal.

38.4   Far-te-ei que te volvas, porei anzóis no teu queixo e te levarei a ti e todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos de armamento completo, grande multidão, com pavês e escudo, empunhando todos a espada;

38.5   persas e etíopes e Pute com eles, todos com escudo e capacete;

38.6   Gômer e todas as suas tropas; a casa de Togarma, do lado do Norte, e todas as suas tropas, muitos povos contigo.

38.7   Prepara-te, sim, dispõe-te, tu e toda a multidão do teu povo que se reuniu a ti, e serve-lhe de guarda.

38.8   Depois de muitos dias, serás visitado; no fim dos anos, virás à terra que se recuperou da espada, ao povo que se congregou dentre muitos povos sobre os montes de Israel, que sempre estavam desolados; este povo foi tirado de entre os povos, e todos eles habitarão seguramente.

38.9   Então, subirás, virás como tempestade, far-te-ás como nuvem que cobre a terra, tu, e todas as tuas tropas, e muitos povos contigo.

38.10   Assim diz o SENHOR Deus: Naquele dia, terás imaginações no teu coração e conceberás mau desígnio;

38.11   e dirás: Subirei contra a terra das aldeias sem muros, virei contra os que estão em repouso, que vivem seguros, que habitam, todos, sem muros e não têm ferrolhos nem portas;

38.12   isso a fim de tomares o despojo, arrebatares a presa e levantares a mão contra as terras desertas que se acham habitadas e contra o povo que se congregou dentre as nações, o qual tem gado e bens e habita no meio da terra.

38.13   Sabá e Dedã, e os mercadores de Társis, e todos os seus governadores rapaces te dirão: Vens tu para tomar o despojo? Ajuntaste o teu bando para arrebatar a presa, para levar a prata e o ouro, para tomar o gado e as possessões, para saquear grandes despojos?

38.14   Portanto, ó filho do homem, profetiza e dize a Gogue: Assim diz o SENHOR Deus: Acaso, naquele dia, quando o meu povo de Israel habitar seguro, não o saberás tu?

38.15   Virás, pois, do teu lugar, dos lados do Norte, tu e muitos povos contigo, montados todos a cavalo, grande multidão e poderoso exército;

38.16   e subirás contra o meu povo de Israel, como nuvem, para cobrir a terra. Nos últimos dias, hei de trazer-te contra a minha terra, para que as nações me conheçam a mim, quando eu tiver vindicado a minha santidade em ti, ó Gogue, perante elas.

38.17   Assim diz o SENHOR Deus: Não és tu aquele de quem eu disse nos dias antigos, por intermédio dos meus servos, os profetas de Israel, os quais, então, profetizaram, durante anos, que te faria vir contra eles?

38.18   Naquele dia, quando vier Gogue contra a terra de Israel, diz o SENHOR Deus, a minha indignação será mui grande.

38.19   Pois, no meu zelo, no brasume do meu furor, disse que, naquele dia, será fortemente sacudida a terra de Israel,

38.20   de tal sorte que os peixes do mar, e as aves do céu, e os animais do campo, e todos os répteis que se arrastam sobre a terra, e todos os homens que estão sobre a face da terra tremerão diante da minha presença; os montes serão deitados abaixo, os precipícios se desfarão, e todos os muros desabarão por terra.

38.21   Chamarei contra Gogue a espada em todos os meus montes, diz o SENHOR Deus; a espada de cada um se voltará contra o seu próximo.

38.22   Contenderei com ele por meio da peste e do sangue; chuva inundante, grandes pedras de saraiva, fogo e enxofre farei cair sobre ele, sobre as suas tropas e sobre os muitos povos que estiverem com ele.

38.23   Assim, eu me engrandecerei, vindicarei a minha santidade e me darei a conhecer aos olhos de muitas nações; e saberão que eu sou o SENHOR.

39.1   Tu, pois, ó filho do homem, profetiza ainda contra Gogue e dize: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe de Rôs, de Meseque e Tubal.

39.2   Far-te-ei que te volvas e te conduzirei, far-te-ei subir dos lados do Norte e te trarei aos montes de Israel.

39.3   Tirarei o teu arco da tua mão esquerda e farei cair as tuas flechas da tua mão direita.

39.4   Nos montes de Israel, cairás, tu, e todas as tuas tropas, e os povos que estão contigo; a toda espécie de aves de rapina e aos animais do campo eu te darei, para que te devorem.

39.5   Cairás em campo aberto, porque eu falei, diz o SENHOR Deus.

39.6   Meterei fogo em Magogue e nos que habitam seguros nas terras do mar; e saberão que eu sou o SENHOR.

39.7   Farei conhecido o meu santo nome no meio do meu povo de Israel e nunca mais deixarei profanar o meu santo nome; e as nações saberão que eu sou o SENHOR, o Santo em Israel.

39.8   Eis que vem e se cumprirá, diz o SENHOR Deus; este é o dia de que tenho falado.

39.9   Os habitantes das cidades de Israel sairão e queimarão, de todo, as armas, os escudos, os paveses, os arcos, as flechas, os bastões de mão e as lanças; farão fogo com tudo isto por sete anos.

39.10   Não trarão lenha do campo, nem a cortarão dos bosques, mas com as armas acenderão fogo; saquearão aos que os saquearam e despojarão aos que os despojaram, diz o SENHOR Deus.

39.11   Naquele dia, darei ali a Gogue um lugar de sepultura em Israel, o vale dos Viajantes, ao oriente do mar; espantar-se-ão os que por ele passarem. Nele, sepultarão a Gogue e a todas as suas forças e lhe chamarão o vale das Forças de Gogue.

39.12   Durante sete meses, estará a casa de Israel a sepultá-los, para limpar a terra.

39.13   Sim, todo o povo da terra os sepultará; ser-lhes-á memorável o dia em que eu for glorificado, diz o SENHOR Deus.

39.14   Serão separados homens que, sem cessar, percorrerão a terra para sepultar os que entre os transeuntes tenham ficado nela, para a limpar; depois de sete meses, iniciarão a busca.

39.15   Ao percorrerem eles a terra, a qual atravessarão, em vendo algum deles o osso de algum homem, porá ao lado um sinal, até que os enterradores o sepultem no vale das Forças de Gogue.

39.16   Também o nome da cidade será o das Forças. Assim, limparão a terra.

39.17   Tu, pois, ó filho do homem, assim diz o SENHOR Deus: Dize às aves de toda espécie e a todos os animais do campo: Ajuntai-vos e vinde, ajuntai-vos de toda parte para o meu sacrifício, que eu oferecerei por vós, sacrifício grande nos montes de Israel; e comereis carne e bebereis sangue.

39.18   Comereis a carne dos poderosos e bebereis o sangue dos príncipes da terra, dos carneiros, dos cordeiros, dos bodes e dos novilhos, todos engordados em Basã.

39.19   Do meu sacrifício, que oferecerei por vós, comereis a gordura até vos fartardes e bebereis o sangue até vos embriagardes.

39.20   À minha mesa, vós vos fartareis de cavalos e de cavaleiros, de valentes e de todos os homens de guerra, diz o SENHOR Deus.

39.21   Manifestarei a minha glória entre as nações, e todas as nações verão o meu juízo, que eu tiver executado, e a minha mão, que sobre elas tiver descarregado.

39.22   Desse dia em diante, os da casa de Israel saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus.

39.23   Saberão as nações que os da casa de Israel, por causa da sua iniqüidade, foram levados para o exílio, porque agiram perfidamente contra mim, e eu escondi deles o rosto, e os entreguei nas mãos de seus adversários, e todos eles caíram à espada.

39.24   Segundo a sua imundícia e as suas transgressões, assim me houve com eles e escondi deles o rosto.

39.25   Portanto, assim diz o SENHOR Deus: Agora, tornarei a mudar a sorte de Jacó e me compadecerei de toda a casa de Israel; terei zelo pelo meu santo nome.

39.26   Esquecerão a sua vergonha e toda a perfídia com que se rebelaram contra mim, quando eles habitarem seguros na sua terra, sem haver quem os espante,

39.27   quando eu tornar a trazê-los de entre os povos, e os houver ajuntado das terras de seus inimigos, e tiver vindicado neles a minha santidade perante muitas nações.

39.28   Saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, quando virem que eu os fiz ir para o cativeiro entre as nações, e os tornei a ajuntar para voltarem à sua terra, e que lá não deixarei a nenhum deles.

39.29   Já não esconderei deles o rosto, pois derramarei o meu Espírito sobre a casa de Israel, diz o SENHOR Deus.


mapa

Na geografia do Velho Testamento, Magog hoje seria a Rússia; Pérsia, o Irã; Meseque e Tubal, repúblicas da ex-União Soviética; Gômer, Europa do Leste e Alemanha; Togorma, Turquia; Cush, Sudão; e Pute, Líbia.

A faísca capaz de acender o apocalipse é um ataque de Israel a um aliado de Gogue — no caso, o Irã, ex-pérsia. O primeiro-ministro israelense Bibi Netanyahu o ameaça constantemente, desconfiado dos aiatolás que já armam grupos terroristas no Líbano e em Gaza em duas fronteiras de Israel. A seu favor, ele tem dois precedentes: em 1981, o premiê Menachem Beguin mandou sua força aérea destruir o reator nuclear Osirak perto de Bagdá, no Iraque — e quando ele próprio telefonou para dar a notícia a uma rádio em Tel-Aviv, o repórter desligou comentando: “Um louco ligou para dizer que bombardeamos a central nuclear de Saddam Hussein”.

Em 2007 houve outro ataque preventivo que destruiu uma usina atômica na Síria montada por norte-coreanos. Imperou o silêncio total, sírio e israelense, só rompido, quase um ano depois, com o vazamento de correspondência diplomática dos EUA pelo WikiLeaks. Curioso: Barack Obama, então senador, na época, deu o seu apoio ao direito de Israel a atacar para se defender.

Magog é introduzido no Gênesis 10:2 como neto de Noé. Seus descendentes acabaram se instalando ao “norte distante” de Israel, certamente a Rússia. As terras de Meseque e Tubal são identificadas como duas das ex-republicas soviéticas, então novamente conquistadas. A invasão da Geórgia, em 2008, que deu independência a Ossetia do Sul, e a da Ucrânia, em 2014, com a Crimeia trocando de soberania, serve como um prenúncio.

Na profecia de Ezequiel, Gogue só sairá da terra de Magogue para guerrear contra Israel depois de muita relutância. Tanto resistiu que Deus, ele próprio, o provocou ao confronto. A formidável aliança russa, incluindo turcos, sudaneses, líbios, etíopes e alemães, marcha então para a Terra Santa com “hábeis guerreiros”, escudos e capacetes, para punir os judeus pelo ataque aos persas.

Israel estará só na guerra, tendo perdido todos os antigos aliados. Os Estados Unidos só observam. Mas Deus vem ao socorro de seu povo. Ezequiel descreve o final:

E sucederá que, naquele dia, darei ali a Gogue um lugar de sepultura em Israel, o vale dos que passam ao oriente do mar; e pararão os que por ele passarem; e ali sepultarão a Gogue, e a toda a sua multidão, e lhe chamarão o vale da multidão de Gogue.

E a casa de Israel os enterrará durante sete meses, para purificar a terra.

(Ezequiel 39:11,12)

Veja também: Ah Jerusalém.

Link para Sinai

Tempestade de mísseis

Destino: Ashkelon. Mas ficou dentro de Gaza

Destino: Ashkelon. Mas ficou dentro de Gaza

As sirenes de ataque aéreo soaram esta noite ao sul de Israel. Mas eu as estou escutando há alguns dias.

O último míssil mirou Ashkelon. Os indícios são de que ele não passou de Gaza. Uma semana atrás, foi disparado um Grad, com mais potência e mira, na direção de Ashdot. Em ambos, a surpresa: o grupo Hamas, normalmente o suspeito número um dos dois ataques, conseguiu avisar a Israel que não pôs o dedo no gatilho.

Se não foi o Hamas, foi Gaza. O grupo que está assumindo os disparos tem ligação direta com o Estado Islâmico, EI. Autodenomina-se Brigadas do Sheik Amar Hadid.

É este o alarme que ando escutando.

Patrulhas do Hamas em Gaza

Patrulhas do Hamas em Gaza

Em Israel prevê-se uma tempestade no verão que está chegando. Tempestade de mísseis. Cem mil mísseis, de uma vez só, disparados das fronteiras síria, libanesa e de Gaza. Não há sistema de defesa antiaérea capaz de formar um guarda-chuva protetor para a população civil em todo território israelense.

A estimativa é de que haverá 4 mil mortos nos primeiros dias da tempestade. No Líbano, milhares de refugiados, com a retaliação israelense.

“O Irã quer cobrir Israel com fogo intenso” — disse o primeiro-ministro Bibi Netanyahu à imprensa internacional em Jerusalém, na semana passada.

Os iranianos têm seus representantes no Líbano, o Hezbollah, equipado com armamento moderno. O califado islamita sendo implantado no Iraque e na Síria já chegou a Gaza e dá tiros no lugar do Hamas. O Irã é visível também nas colinas do Golã, preparando o novo front.

Ex-ministro da Defesa e primeiro-ministro, Ehud Barak pediu aos israelenses que não sejam presunçosos, certos de sua superioridade militar. “Nunca estivemos sob 100 mil mísseis, ainda por cima mais certeiros. Isto é uma situação completamente diferente”.

As Forças de Defesa de Israel estão ensaiando alguma resposta ao “tapete” de mísseis previsto para o verão, que é quando começa a maioria das guerras no Oriente Médio. Os túneis usados pelos palestinos do Hamas para vencer a fronteira israelense em Gaza, ano passado, já não representam mais tanto perigo, porque agora são levados em conta, sem surpresas.

Se os aiatolás atômicos iranianos forem responsabilizados pela tempestade de 100 mil mísseis, a próxima guerra não deverá se limitar às fronteiras tradicionais dos países vizinhos. Alcançará Teerã, provavelmente.

As nuvens que prenunciam a tempestade devem encobrir as negociações para a limitação nuclear do Irã, reiniciando agora. O chefe supremo das Forças Armadas americanas passou esta semana por Israel. Foi chamado de “grande amigo dos israelenses”. As sirenes voltaram a soar. Baterias antimísseis foram armadas em pontos vitais. O exército ensaiou uma mobilização geral.

Quando o míssil padrão era a katiusha, disparado de caminhões, Israel invadiu o Líbano. Aí a TV israelense perguntou a um soldado:

— Você sabe o que veio fazer aqui no Líbano?

— Sim — ele respondeu. — Acabar com as katiushas.

As Katiushas

As Katiushas

— E onde estão as katiushas? — tornou a perguntar o repórter.

— Em Moscou…

Foi cômico, na época. Mas agora a situação é outra: os mísseis são do Irã, e o Irã está ao alcance da aviação israelense.

Kissinger: “O Estadão vive me atacando”.

Henry Kissinger fala do novo livro com seu biógrafo, Niall Ferguson, de Harvard, na Universidade de Yale.

Kissinger fala do último livro com seu biógrafo, Niall Ferguson, de Harvard, na Universidade de Yale.

Brinca-se que dois presidentes dos EUA serviram a Henry Kissinger em

seus dois mandatos como Secretário de Estado. Tão poderoso, fiquei

intimidado quando o rabino Henry Sobel, seu amigo, nos apresentou.

Tinha tudo para ser um encontro rápido, chato e formal.

Mas aí ele inventou a reclamação: “O Estadão  vive me atacando”.

O Prêmio Nobel Kissinger lançou um livro em setembro, World Order,

em que postula que o mundo só conheceu até hoje uma “ordem regional”,

nunca mundial. Lendo-o, lembrei-me do nosso encontro, sobre o qual

escrevi um artigo para o Estadão, aqui reproduzido.

(Foto: Finnegan Schick).

Jerusalém, 29/06/1983 — Quando lhe falaram que o Estadão estava ao lado dele, podendo escutar a conversa, Henry Kissinger reagiu como se o lesse obrigatoriamente todos os dias, logo ao acordar:

-Está sempre me atacando – disse alto o Prêmio Nobel e duas vezes secretário de Estado dos EUA no saguão do King David Hotel.

42614628

Por um momento, até Nancy, sua esposa, olhou-o espantada. Depois, ele riu – estava brincando. As brincadeiras de Kissinger, visitando Israel, produziriam longas gargalhadas, um pouco mais tarde, durante um jantar na Universidade de Jerusalém.

Ele lembrou como o seduziram a comparecer ao jantar, e descreveu as táticas israelenses de negociações que considerou perigosas, porque podem culminar em “exaustão nervosa”. O reitor Simcha Dinitz, que no final o convenceu a fazer “algumas observações sobre seu amigo Navon” (o então presidente de Israel, Yitzhak Navon), apresentou-o como “o único secretário de Estado norte-americano ao qual serviram dois presidentes dos Estados Unidos”.

Kissinger fez “algumas observações” sobre o ex-presidente Navon, e “alguns comentários” sobre Golda Meir, lembrando que geralmente ele só fala após “quatro discursos de introdução, três discursos com observações iniciais, três outros com comentários e uma apresentação”, depois de um dia em que dá uma entrevista coletiva à imprensa e aparece em dois programas de televisão.

“O sobrinho levado de Golda”, como ele próprio, mister K, se definiu, deixou o humor por um momento para elogiar a iniciativa do presidente Navon em apoiar a criação de uma comissão de inquérito sobre o massacre de Sabra e Shatila, em Beirute, em 1982. “Restaurou a dignidade do povo judeu” — comentou. E receitou, com a voz rouca, pousada, enquanto sua esposa Nancy acendia um cigarro depois do outro, que “Israel encontrará seu caminho para a paz com justiça”, e que “com gente como Navon não se envolverá em nenhum tipo de extremismo”.

Kissinger veio a Israel a convite da Universidade de Jerusalém, mas fez também uma conferência na universidade de Tel-Aviv. Todo o mundo político israelense aproveitou a estadia dele para uma troca de ideias. Ao primeiro-ministro Menachem Beguin advertiu que a lua-de-mel entre Washington e Jerusalém pode voltar logo à fase de quase divórcio. O chanceler Yitzhak Shamir, depois de vê-lo, mostrou-se mais otimista com a possibilidade de uma retirada Síria do Líbano – já que Kissinger foi o negociador que conseguiu o famoso desengajamento de forças entre sírios e israelenses, no Golan.

Kissinger também esteve com os líderes da oposição trabalhista. Foi quando se despedia de Yithzak Rabin, no saguão do King David Hotel, que surgiu a conversa sobre o Estadão. Um amigo dele, o rabino Henry Sobel, apresentou-me como seu correspondente em Israel, provocando a reação imediata, porém simpática, de representar-se como uma vítima do jornal. Trocamos algumas palavras até ele sair com Nancy e seu filho David, de 23 anos, comentando:

-O Estado… Claro que conheço O Estado…

Yasser Arafat: exílio no continente perdido.

Foto AlJazeera

Foto AlJazeera

A primeira vez que estive a cinco metros de

Yasser Arafat foi quando ele se despedia de Beirute,

derrotado na guerra de 1982 contra Israel.

Segui-o até a entrada do porto. onde o esperava o navio

Atlantis, que o levaria para o exílio na Tunísia.

Em comum, Arafat e Atlantis

simbolizavam um continente perdido.

Bandeira do Al Fatah

Bandeira do Al Fatah de Arafat

Beirute, 30/8/1982 – Foi uma tumultuada operação-resgate, e não a cerimoniosa despedida que estava preparada. Yasser Arafat, de uniforme verde-oliva, kefiah enrolada na cabeça, desceu de sua limusine preta para passar em revista uma guarda de honra da OLP, e uma multidão o envolveu, levantando câmeras e armas de todos os tipos.

Pela primeira vez, eu me encontrava a cinco metros de Yasser Arafat, e em Beirute oeste, onde penetrei, quase clandestino, pela manhã, e sem passaporte, porque nele havia carimbos de entrada e saída de Israel suficientes para que fosse condenado como espião, pela OLP.

Os palestinos gritavam em coro, suspendendo e abaixando fuzis, metralhadoras, pistolas e lança-granadas:

“A revolução vencerá”.

No local da cerimônia, na fronteira oeste-leste do porto de Beirute, havia uma grande poça de esgoto. E como a festa de despedida tumultuou, ela se transformaria no tapete vermelho comum a todos, mesmo para Arafat.

Antes, às dez da manhã, os poucos jornalistas que chegaram a área oeste do porto, atraídos pelos rumores da partida do chefe da OLP, foram reunidos, ao lado do “Hotel Normandy”, pelos guerrilheiros palestinos e pelos Mourabitoun — as milícias pró-nasseristas que agora mandavam aqui, bem armados. E pudemos ver o Atlantis, branco, navegando para o porto de Beirute entre os navios de guerra franceses e norte-americanos.

Uma tropa da Legião Estrangeira da França esperava, num tanque e num caminhão, recebendo ordens diretas do embaixador francês no Líbano, Paul Marc Henry, de terninho azul molhado de suor, se­guido de muito perto por guarda-costas de metralhadoras e revólveres engatilhados. Um mourabitoun, em cima de um jipe com bateria antiaérea, parecia ansioso para dar o primeiro tiro da festa de despedida. Apontando para o mar, a rota do êxodo, ele dizia, otimista:

-A revolução palestina continuará seu caminho.

hqdefault

Uma outra placa, bem humorada, nos escombros de uma loja completamente arrasada por bombardeio aéreo, anunciava: “Crisis Tourism”, ou turismo da crise, imposto por Israel aos guerrilheiros da OLP. Uma criança de três anos tentava empunhar um fuzil kalachnikov maior do que ela, incentivada pelo pai, para a alegria dos fotógrafos. Quando a deixou cair, ela ficou apontada para a mãe, que correu para sair da mira.

Quem atinge o porto, deste lado oeste, chega já sem referências para medir a destruição geral. Beirute parece ter sobrevivido a um cataclisma. Toda a cidade exibe as marcas da violenta guerra, bombardeada por aviões, por barcas lança-mísseis e pelos canhões de artilharia. Os hotéis antes famosos, à beira-mar, são ruínas. O lixo se amontoa por todos os lados. E é difícil encontrar alguém desarmado. Ao contrário, muitos estão constantemente com os dedos no gatilho. Vi um tanque T-54, soviético, pertencente a OLP, ao lado do ex-Hipódromo, cujo cano fundiu, de tanto disparar. E vi também muitos caminhões lança-mísseis, as katiushas, nas áreas agora sob o controle dos Mourabitoun ou dos militantes da El-Amal, a milícia xiita, pró-khomeinista.

No lobby de um dos hotéis mais famosos da cidade, vendia-se armas a preços de liquidação, 20 a 25 dólares cada. Pés de maconha cresciam na rua, mas só vitrine. Se se tentasse colher algumas folhas, logo surgia o vendedor, dono da plantação.  As lojas reabriram. O centro ficou intransitável de tanta gente com seus carros aproveitando a abertura dos bancos e repartições públicas. Ao contrário de Beirute oriental, decorada com fotos de Bachir Gemayel, o novo presidente, a ocidental parecia renascer para o nasserismo, decorada com fotos do antigo presidente egípcio Gamal Abdel Nasser. Nos dois lados da cidade havia uma nova energia perceptível no ar, o alivio pós-guerra. Apelos à reconstrução e a normalização eram repetidos nas rádios e nos jornais, lembrando que “O Líbano voltará a ser dos libaneses”, quando todas as forças estrangeiras forem embora, em menos de um mês.

Despedida do amigo Wallid Jumblat, o líder druso. Foto: Al-Araby

Despedida do amigo Wallid Jumblat, o líder druso. Foto: Al-Araby

Yasser Arafat partiu depois que os sírios da Brigada 85 começaram a se retirar, por terra, para Damasco. Das 6h11 às 7h43 da manhã, eles saíram pela galeria Semaane escoltados pelos sofisticados Bersaglieri, os soldados italianos emplumados — são várias penas, algumas castanhas, outras verde escuro, pendendo dos capacetes brancos. O desfile contou com alguns tanques velhos sobre jamantas, caminhões lança-mísseis semi-destruídos, e uma grande variedade de veículos militares de transporte, alguns rebocados, todos com as fotos do presidente Hafez Assad e bandeiras da Síria. Logo na saída, cruzavam com bandeiras israelenses, hiçadas durante a noite, sob protesto das forças multinacionais.

Os israelenses viam os 1200 “inimigos” sírios desfilando, discretos, com binóculos, de vários edifícios próximos, e ao longo dos 25 quilômetros até Sofar, no Vale de Bekaa, onde a rodovia passa ao controle da Síria. Num momento, quando surgiu um caminhão de soldados com turbantes vermelhos enrolados nas cabeças, exibindo um grande cartão redondo com a foto do presidente Hafez Assad em meio a flores, uma pequena multidão de libaneses vaiou. Aí, ocorreram as já tradicionais trocas de gestos obscenos

A esta hora, Yasser Arafat seguia para a casa de Wallid Jumblatt, o líder druso dos movimentos de esquerda, para despedir-se. Aqui, comentaria que se sentia “muito orgulhoso” da resistência que seus guerrilheiros opuseram às forças israelenses, durante dois meses de sitio, e revelou, brincando, que pensava acrescentar um “L” à sigla de sua organização.

A “OLLP” se dedicaria à Libertação do Líbano e da Palestina, “ambos ocupados por Israel”. Em sua mensagem aos habitantes de Beirute, na noite anterior, Arafat elogiaria “a resistência heroica diante da agressão israelense”, saudando “a solidariedade libanesa-palestina, na prova mais dura que já conheceu a nação árabe”.

– Nós combatemos juntos e nos sacrificamos para defender o Líbano, esta terra onde viveram nossos ancestrais e onde viverão nossas crianças. Esta terra continuará sendo árabe, e nós permaneceremos unidos, pelo sangue e pelo destino. A história prendeu sua respiração com a gente, observando a epopéia que escreveram os habitantes de Beirute com seus irmãos combatentes, diante da mais infame das máquinas de guerra e de destruição israelense/norte-americana.

O algoz de Arafat, o general Ariel Sharon. Foto: NPR.org

O algoz de Arafat, o general Ariel Sharon. Foto: NPR.org

Aos rumores de que iria partir secretamente, ou mesmo de que já tinha partido, Arafat respondeu que a sua retirada seria pública, “um adeus popular”. Depois da casa de Wallid Jumblatt, ele foi se despedir do primeiro-ministro Chafic El-Wazzan. Ao porto, já chegava o seu vice, Abou Yad, liderando um longo comboio de limusines a prova de balas, protegido por dezenas de guarda-costas, todos vestidos com camisetas cinzas e calças jeans, um grande revólver no coldre às costas, uma metralhadora na mão. Via-se num carro o ex-primeiro-ministro Selim El-Hoss, e, num outro, o mufti Sunita, Hassan Khaled. Todos pararam próximos aos blindados da Legião Estrangeira francesa. Perguntei a um Mourabitoun como se chamava o local.

-Hotel Normandy – ele disse.

-Mas aonde está o hotel?

Com sua bota, ele ficou riscando a poeira no chão: — Virou pó.

Então, ele perguntou quem eu era:

-Sarrafi, Sarrafi (jornalista) – respondi, e antes que insinuasse uma verificação de documentos, acrescentei: “Brasil, Sarrafi Brasil”. O mourabitoun abriu um grande sorriso, e se lembrou da copa do mundo.

-Zico, Izidoro…

medium_3429308312Outros mourabitouns surgiram, acompanhados da polícia militar da OLP, pedindo a todos os jornalistas que se concentrassem mais abaixo, na fronteira oeste-leste do cais, onde uma tropa esperava Arafat para a despedida de honra. Os franceses guardavam a zona do cais que se estende para o leste, onde começa a região controlada pelos marines norte-americanos. Mas havia muitos civis armados, alguns com camisetas de Che Guevara, além dos uniformizados, representantes de várias sub-facções da OLP.

Entre a tropa e a imprensa havia uma grande poça de esgoto. Ao lado, o prédio do banco sirio-libanês, destroçado. E escutávamos, apreensivos, o ruído de aviões bem alto, invisíveis, mas com certeza israelenses, pois o aeroporto estava fechado desde o dia sete de junho, quando a guerra começou.

No “Hotel Normandy” começaram os tiros da festa de despedida, para o ar. Na rua estreita, onde estavam a imprensa e a guarda de honra, parou um caminhão lotado de soldados da OLP que ocuparam posições numa área já inteiramente ocupada, apertada para a cerimônia pretendida. Uma mulher preparou flores, três guerrilheiros enrolaram bandeiras dos vários grupos da OLP que darão para o líder levar em seu êxodo grego e tunisiano. Enfim, as sirenes de um jipe Range Rover, com muitos guarda-costas, anunciou que atrás, na limusine preta, vinha Yasser Arafat.

Ele desceu, e tudo ficou, de repente, muito tumultuado. Muitos queriam beijá-lo, costume comum entre os árabes. Arafat, miúdo no meio de tanta gente, foi avançando lentamente, identificável pelo kefiah (turbante) preto e branco. E entrou na poça de esgoto em que todos acabamos nos molhando.

Seu carro preto abriu passagem, com pessoas até sobre o teto, e quando a porta abriu, os que estavam próximos de Arafat o enfiaram para dentro. Por um cordão de isolamento, a limusine chegou a uma trincheira de sacos de areia, onde a ninguém é permitido ultrapassar, e há empurrões, ameaças de sacar armas. Um jornalista cai deitado no esgoto, e os outros estão sujos até os joelhos. A mulher com flores, e os guerrilheiros com as bandeiras, forçaram inutilmente a entrada.

Arafat partiu para o setor oriental, onde embarcou num navio especial grego, sob proteção americana e francesa, para a Grécia. Os tiros tão aguardados começaram a ser disparados, para o mar. O chão ficou cheio de cartuchos vazios.

O navio era o Atlantis. E seu mais ilustre passageiro se afastava outra vez de sua Atlântida, o continente palestino perdido.

Mais sobre a guerra Israel-Líbano