BEM-VINDA, CORRUPÇÃO!

Aceitamos corruptos e corruptores de portas abertas no Museu da Corrupção (MuCo). Mas estamos com um sério problema: a atual supersafra do Petrolão é muito maior do que podemos absorver.

O MuCo nasceu da constatação de que a corrupção que faz a manchete dos jornais de hoje relega a do dia anterior ao esquecimento. Vamos adiante, desmemoriados. Mas expor passado e presente escandalosos pode corrigir o futuro. É ferramenta para pesquisadores. Intimida corruptores.

O MuCo nasceu em 21 de abril de 2009, mais para coincidir com o dia seguinte, o do Descobrimento do Brasil, do que com o Dia de Tiradentes. A repórter Kássia Caldeira já pesquisava havia seis meses os processos e investigações da Polícia Federal, os arquivos de CPIs, da Justiça e dos jornais, e aprofundava mais em nosso passado imprevisível. Assim montamos o primeiro acervo.

O arquiteto Rodrigo Moreira

O arquiteto Rodrigo Moreira

Um historiador deu o mote para precipitar a estreia do MuCo: “A corrupção começou com as primeiras caravelas”. Portugal desterrava seus trambiqueiros em Pindorama. O editor de web Luiz Octávio formatou o conteúdo dentro do espaço projetado pelo arquiteto Rodrigo Araújo Moreira. A curadoria foi assumida por Regiane Bochichi, ex-AOL.

Em dois meses, o MuCo alcançou 1.839.765 page views. Em seis meses, ganhou o Prêmio Esso de Melhor Contribuição à Imprensa. Foi convidado a se exibir numa reunião da ONU, para o Mercosul, no Paraguai. Um grupo de Paris pediu, e ganhou, uma sala para expor la corruption française.

    Com um Congresso pródigo em corrupção, o MuCo teve que abrir uma galeria só para expor a produção diária de Brasília. Em outras salas, estão as operações da PF, o trabalho de CPIs, uma galeria especial para a arte apreendida com corruptos de bom gosto, uma biblioteca com integra de livros para baixar, alguns já esgotados, a pizzaria da ex-deputada Ângela Guadagnin em que a Sarney, o bigode feito de anchovas, é a mais apreciada. Há também uma lojinha, como em todo museu. Ela foi até disputada por interessados em vender produtos reais. Mas continua só vitrina, com cueca própria para esconder dólares, algemas preciosas, máquina de lavar dinheiro, camisas de colarinho branco, kit para escutas clandestinas e camisetas da hora. Cartões postais da Casa da Dinda e da mansão de Palocci, brasilienses; da refinaria de Pasadena, no Texas; e da Petrobras, no Rio e Pernambuco, entre outros, podem ser enviados do próprio MuCo. A Copa do Mundo deste ano ganhou uma área especial, alimentada pelo jornal Lance. Na sala de cinema passam vídeos e som coletados de várias fontes, inclusive da web. No depósito de ferramentas estão os telefones e e-mails de todos deputados e senadores.

O MuCo nunca teve nenhuma verba, ou investimento. E é uma pena que esteja hoje paralisado ante tanta corrupção jorrando da Petrobras. A alguns jornais, nas principais capitais do país, foi oferecido um anexo próprio, num conjunto de torres projetadas em torno do prédio inicial, já pequeno. Antes hospedado no recém-extinto Diário do Comércio, da Associação Comercial de São Paulo, era um espantalho: por que um jornal ia avalizar outro? E a concorrência? Agora liberado, o criador abdicando à sua criatura, ele poderia ser de todos, tipo Wikipédia. A forma de administrá-lo está aberta. Bobagem pensar em patrocínio. O Google o encamparia? Não, por incompatibilidade à sua operação no Brasil. Alguma empreiteira? Só por humor.

Agora, o MuCo (www.muco.com.br) também entrou no Facebook. Só como obra de todos, poderá crescer, digerir a corrupção que, de tanta, o imobilizou. Algumas ideias que aguardam condições de serem executadas: duas novas salas, uma para a Papuda, outra em homenagem a Paulo Francis, com a memória de suas denúncias sobre a Petrobras. Um museu de cera com os nossos corruptos mais conhecidos — forma eficaz de dissuadir futuros corruptores. Alguns suspeitos absolvidos revelaram o poder da memória preservada, pedindo à curadoria para acrescentar que foram julgados inocentes em casos de muita exposição. Em pouco tempo, a 9 de dezembro, será comemorado o Dia Mundial Contra a Corrupção. Hoje, o Brasil pode comemorar certo avanço contra a impunidade. Mas, e contra o esquecimento?DSC00429